22 de fev de 2017

Último texto pro site Confeitaria.mag

Não à toa é um texto sobre tempo e viagem, que tiro de lá antes do site sair do ar.
Mas não há tristeza porque agora a Fabi embarcou outro projeto lindo chamado Deriva, que já nasceu cheio de gente talentosa. Quem sabe um dia um texto meu também não apareça por aquelas águas ;)))
Vida longa ao Deriva! www.derivaderiva.com

FÉRIAS NÃO É LUGAR DE DORMIR


O telefone do resort toca. Hora de levantar para o passeio de barco com o marinheiro-dono-da-agência-de-viagens. Passariam o dia no mar, visitando ilhotas ao redor de Split, que pudessem servir de locação para os personagens do seu novo livro. Encontraria Komiza, um vilarejo da ilha de Vis, com menos de dois mil habitantes e casas construídas sobre as águas como a vizinha Veneza, espremida entre uma cadeia de montanhas e um charme inegável. “Que outra cidade uma fotógrafa escolheria?”. Abriu as cortinas para que a vista do mar terminasse de acordá-la. O sol ainda brilhava tímido e, talvez por isso, saiu para o dia sem protetor.

Lessa, o gato que veio junto com o apartamento alugado em Genebra, miava longo e arranhava a porta do quarto. “Já não me basta um menino, agora esse gato”, pensou alto ao notar o chão do corredor e da cozinha brancos, coberto das pedrinhas destinadas ao toalete do bichano, que Lessa fez questão de espalhar enquanto destruía/brincava com o saco preto em que elas estavam, devidamente guardadas num armário sem chave. Varreu tudo para um canto antes de fazer ovos mexidos. Estava ali investigando como seu personagem viveria num apartamento central de Genebra. Sairia com informações preciosas e uma alergia que espalhou bolhas por seu rosto, colo e braços e demorou muitas doses de corticóide para passar.

Manhã e noite em Copenhagen não tinham diferença para eles. Dormiam antes da meia-noite e estava claro como estaria no despertar do dia seguinte. “Parece que tiramos uma soneca”, me dizia ele, sempre com sono e duvidando do que as horas mostravam. Nenhum sinal do frio típico, era um desses verões implacáveis, 28 graus, sem vento. Como se arrastássemos o sol conosco, a cada cidade que incluíamos na viagem. Provamos o pão de centeio com geléia de laranja e uma barra de chocolate amargo fininha, ou com patê de peixe e um molho que mistura mostarda, maionese, picles e anchovas chamado rémoulade. Saímos dizendo “tak”, como a criança brasileira-dinamarquesa que conhecemos, agradecidos pela calorosa hospedagem.

Acordar em Paraty é sempre difícil. Não há como descansar de dia, graças à intensa programação da Flip, as tendas, os bate-papos paralelos, os cafés gratuitos do IMS, os livros novos para carregar nas ruinhas irregulares. Não dá para dormir cedo por causa das festas, dos bares, dos encontros, palestras, coquetéis, caipirinhas e da maravilhosa comida do Thai e do Banana da Terra. O despertar é sofrido, mesmo estando hospedadas numa pousada em que o Sílvio de Abreu e o Nelson Motta tomam café do seu lado. “E que pão de queijo é esse?”, digo levantando novamente para encher meu pratinho. É garantia de voltar ano a ano e fantasiarmos nós daqui a 30, com 67 anos, tão elegantes e cultas quanto as velhinhas na fila de entrada da tenda principal.


* Imagem: ilustração de Anne Laval

Nenhum comentário: